Marca

No século XIX, os pais de Ponciano de Abreu começaram a produzir Vinho Alvarinho nas suas propriedades situadas nas encostas de Paderne, em Melgaço, na zona Noroeste de Portugal.

Para além de consumo próprio, o vinho servia para pagarem favores aos médicos e advogados e até as contas da botica. As condições excepcionais do solo, clima e exposição solar, repercutiam-se na qualidade do vinho, que começou a ganhar fama na região.

No primeiro quartel do século XX, Ponciano de Abreu decidiu relançar o cultivo dos seus vinhedos, tendo sido um dos pioneiros na produção do Alvarinho, já enquadrada pela legislação da então recém-criada Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

Já no início do século XXI, Rui Esteves, neto de Ponciano, retomou o projecto de uma forma profissional, tendo decidido passar a comercializar o seu Vinho Verde Alvarinho com a marca "DOM PONCIANO", de acordo com as estritas normas vigentes para os Alvarinhos produzidos na Sub-região de Monção e Melgaço.

O vinho, obtido pelas mais modernas tecnologias de vinificação, apresenta-se fresco, balsâmico e muito expressivo na boca, onde surge poderoso, com acidez firme e um final persistente, com alguma doçura.

A sua excelente qualidade tem vindo a ser reconhecida pela imprensa especializada e tem vindo a granjear-lhe prestigiosos prémios nacionais e internacionais.

Que melhor recompensa poderia ter desejado Ponciano de Abreu, quando teve este sonho de produzir bagos de ouro para um néctar real, no "terroir" único de Paderne?